terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Esfinge



Não há perguntas. Selvagem
o silencio cresce, difícil.

                        De “Rosácea”, 1986.


Orides Fontela



Sem comentários: